Isso me fez tão bem

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Já disse em algum post anterior que eu tenho a incrível capacidade de me sabotar, mesmo sem querer. O meu antigo emprego era, também, uma forma disso, só que eu não sabia.
Eu trabalhava quase todos os dias do mês. Sábado, Domingo, feriado e dia santo. Nunca reclamei. Mesmo sabendo que de acordo com o sindicato tal regime de trabalho era ilegal. Não importava. Eu queria trabalhar e lá no fundo eu me sentia muito orgulhosa por ter um emprego.

No meu setor, que trabalhávamos basicamente respondendo Emails, eu era a mais produtiva. Enquanto os amiguinhos tinham uma média diária de 18 a 20 Emails respondidos, eu respondia de 30 a 40. E veja bem, quando eu digo 18 a 20 Emails, isso quer dizer muita coisa, porque, amiguinhos, trabalhávamos respondendo os funcionários da Emissora do Plim Plim (muitos artistas, inclusive), e acho que há um tipo de défict cognitivo que toma geral de assalto, porque só isso justifica a, digamos assim, falta de entendimento deles. Às vezes era preciso responder 5, 6 Emails para que eles entendessem algo que havia sido respondido no primeiro. Era preciso muita paciência para aturar tanta arrogância através daquelas letrinhas.

Enfim, eu produzia muitos mais que os outros e constantemente era elogiada por isso. Daí a surpresa ao ser demitida, porque eu juro por minha mãezinha que até hoje não sei o que de fato aconteceu. Fui demitida sem uma explicação aparente, apenas com a informação de que a empresa não precisava mais dos meus serviços. E como isso me fez sofrer. E como chorei nos três dias seguintes. E como achei que as coisas haviam acabado ali, porque eu não me achava boa em nada. Eu não me sentia capaz de fazer nada, além daquilo que eu fazia.

Passado o choro, a raiva e mais ou menos a mágoa, eu comecei a trabalhar de novo, em um horário bacana, ganhando mais e descobrindo novos talentos. 
Daí que me liga a gerente do RH pedindo para eu comparecer ao escritório da empresa, porque precisava ter uma conversa comigo. Eu pensei em dar uma desculpa qualquer e não ir. Aquilo já tinha ficado para trás e eu não queria mais pensar, mas ela insistiu e lá fui eu, saber o que de tão importante ela tinha para falar.

ELA ME PEDIU PARA RECONSIDERAR A DEMISSÃO E VOLTAR A TRABALHAR COM ELES, PORQUE A PRODUTIVIDADE DO SETOR HAVIA CAÍDO BASTANTE APÓS A MINHA SAÍDA.

Me senti a mulher maravilha quando recusei e disse que já estava trabalhando em outro lugar, onde de fato eu me sentia valorizada, e que uma vez fora de lá, nunca mais dentro.

Saí de lá tão de bem com a vida que comprei três pares de sapato na loja da esquina. O.o



5 Contando um conto e aumentando um ponto.:

  1. cute blog!

    Would you like to follow each other on GFC?

    ResponderExcluir
  2. hahahaha, bom mesmo isso, já aconteceu algo semelhante comigo, mas no caso foi eu que pedi demissão e depois ficaram tentando me convencer a ficar.
    Boa sorte no emprego novo!

    :**

    ResponderExcluir
  3. Tá certíssima, porque voltar para um lugar onde ninguém valorizava o seu esforço, né? Fora que esse negócio de trabalhar demais, todos os dias, sem descanso, não dá né? A vida não pode ser só isso!

    ResponderExcluir
  4. certíssima você. melhor sem emprego, do que em um que não te valorizam. eu mesma já passei por isso e pedi as contas e agora tô bem mais feliz =)

    ResponderExcluir







Design e código feitos por Julie Duarte. A cópia total ou parcial são proibidas, assim como retirar os créditos.
Gostou desse layout? Então visite o blog Julie de batom e escolha o seu!